Veja se é verdade: 10 minutos atrás você estava olhando para uma folha de papel em branco – ou um canvas do Photoshop, ou um documento vazio no Google Docs – no mais profundo estado de bloqueio criativo. 

Quem produz sabe que às vezes a gente tenta, tenta e tenta e não sai nada. E na realidade de uma agência de marketing, isso é ainda mais complicado: parece que a gente não está fazendo nada. 

Quando a folha em branco te traz todo tipo de pensamento, menos os que você precisa para preenchê-la, é hora de fazer alguma coisa para resolver o bloqueio criativo. 

Ao longo desse texto, você vai ver que dar um tempo muitas vezes é a cura. Mas pra quem é inquieto, a cura também pode estar no método Nike: just do it. 

Separamos 15 técnicas para acabar com o bloqueio criativo inspiradas por grandes autores e profissionais de marketing. Tem pra todas as personalidades, então se uma técnica não funcionar pra você, continue na leitura até achar a que combina mais com o seu jeito de produzir.

Mas antes, só uma palavrinha:

O bloqueio criativo existe mesmo? 

O bloqueio criativo existe mesmo? 

Claro que existe. Para algumas pessoas existe, para outras não. Muitos autores e redatores são completamente contrários à ideia do bloqueio criativo. 

Mas se mesmo uma pessoa no mundo tiver bloqueio criativo, ele existe.

O que não existe é um bloqueio criativo sem motivos. Ninguém acorda super motivado, com vários textos pra escrever para vários clientes e simplesmente não consegue porque teve um ataque de bloqueio criativo. “Mas eu estava com tanta vontade de escrever!”

Tem alguma coisa por trás. Bloqueio criativo não é resfriado. Ele acontece por motivos que muitas vezes a gente nem está percebendo. Ansiedade, medo de não conseguir entregar, prazo apertado: tudo contribui. 

Com isso em mente, a primeira técnica e a mais importante do texto é: sempre tente investigar o motivo real do seu bloqueio. E se possível, resolva o problema antes de criar. 

Se não der para resolver assim, logo de cara, pelo menos você sabe que o bloqueio criativo é sintoma. E fica mais fácil de lidar com ele assim. 

Agora vamos para as técnicas: 

15 exercícios para acabar com o bloqueio criativo agora

É muito importante cuidar da saúde mental, especialmente trabalhando em um ambiente como uma agência de publicidade e marketing digital. 

A necessidade de entregar cada vez mais rápido tira uma das principais características das boas ideias: o tempo de gestação. E essa ansiedade vai se acumulando até culminar em problemas como o bloqueio criativo. 

Mas se planejando bem, você consegue tirar um tempinho para…

1 – Produzir com bloqueio criativo mesmo e depois revisar

Esse exercício é fácil de fazer, e você consegue começar agora sem nem levantar da cadeira. Volte para a página em branco e simplesmente faça qualquer coisa relacionada ao tema. 

Isso é o que a autora Ann Handley (Regras de Conteúdo, Everybody Writes) descreve como TUFD – the ugly first draft, o primeiro rascunho feioso. 

Produza como se você nem soubesse que tem um bloqueio criativo. Nem que seja uma lista do que você quer falar, ou um esqueminha em uma folha de caderno. Só faça. 

Depois que você terminar, revise. As ideias vão estar te esperando. Não tem bloqueio criativo que sobreviva a ideias que você já pensou. 

Um escritor que espera as condições ideais para escrever vai morrer sem nunca colocar uma palavra que seja no papel” – Ann Handley, Everybody Writes. 

2 – Dar um tempo e ler um livro 

Tem hora que o bloqueio criativo está tão profundo que você se sente incapaz. Não sai nada, te falta até vontade de encostar o dedo no teclado. 

Nessas horas, dar uma pausa faz milagres. Leia um livro inspirador, e nem precisa ser um livro falando sobre produção de conteúdo.

“Regras de Conteúdo”, da Ann Handley, é um ótimo livro para ir lendo pouco a pouco, saboreando. Ele fala muito sobre inspiração e copywriting em geral, e não é só para escritores! 

Ler é bom porque funciona como uma meditação. Você não consegue pensar em outra coisa, seu foco fica inteiro no livro. E isso é ótimo para acalmar os pensamentos. 

Tenha sempre uma gaveta dos livros de emergência do seu lado. E se o bloqueio criativo aparecer, rebata com uma leitura. 

Trabalhar em uma agência (DDB) me ensinou a pensar, não só a escrever” – Malcolm Gluck, copywriter lendário. 

3 – Pesquisar mais

Olha só: produzir alguma coisa em uma agência – seja um roteiro de vídeo, um texto de blog, uma peça para o Instagram etc. – é 90% pesquisa e 10% realização. 

Tudo o que é feito em uma agência é com base no público alvo. Se o seu bloqueio criativo for porque você não sabe bem o que falar, é hora de pesquisar mais. 

Uma dica que vai te ajudar demais: entre em grupos no Facebook e perfis no Instagram e pesquise por lá. Se você está trabalhando com um cliente que vende peças de carro, entre em grupos de mecânicos. 

Assim, você vai ver como as pessoas que vão consumir seu conteúdo conversam, e vai ter uma ideia melhor de como você precisa falar. 

Mas se você já sabe bem como falar mas não sabe exatamente o que – ou seja, não domina o conteúdo – é hora de uma pesquisa mais aprofundada. Entreviste seu cliente para entender melhor o produto ou serviço oferecido, e vá anotando pontos chave. 

Esses pontos vão te ajudar a superar o bloqueio criativo, porque eles voltam na primeira técnica: escrever rápido e depois editar. 

Mas se você não está muito motivado a pesquisar…

4 – Comer alguma coisa

Esse é um dos melhores exercícios para acabar com o bloqueio criativo: simples de seguir e envolve comida. Perfeito. 

Mas não é todo mundo que aceita esse conselho porque ele parece inútil. Mas isso pode ser a falta de glicose no seu sangue. 

A glicose é o alimento do nosso corpo. Sem ela, o cérebro trabalha mais devagar, e você tem mais dificuldade para focar no que você está fazendo. E também tem mais dificuldades em aceitar novas ideias. 

Então, aproveite essa pequena pausa. Comer faz bem e pode te aliviar do seu bloqueio criativo. Se o seu corpo com baixa glicose gritar “trabalhe mais! Comida não é o problema!”, ignore. Fazer um lanchinho nunca atrasou nenhum texto. 

Eu já escrevo há tempo o suficiente para saber que bloqueios são temporários, e que se alguém seguir uma rotina e tentar escrever com regularidade, alguma coisa eventualmente aparece” – Jhumpa Lahiri

5 – Produzir outra coisa criativa

Precisa escrever um e-mail de vendas? Escreva como se fosse um poema. 

Precisa escrever um texto de blog? Escreva em forma de perguntas e respostas.

Precisa criar uma peça de Instagram? Desenhe alguma coisa à mão. 

Subverta a sua criatividade. Tem horas que trabalhando em uma agência de publicidade a gente esquece que a criatividade não se dá bem com a pressão. 

Então seja revolucionário nem que seja por uma horinha ou duas. A criatividade, que sempre foi rebelde, vai te agradecer. 

“Delete o desnecessário e refaça o ambíguo. E refaça. E refaça. E refaça.” – Steve Harrison, copywriter lendário

6 – Fazer anotações à mão

Essa aqui também está no espírito da técnica número 1. Ao invés de ficar olhando para a tela do computador, puxe um caderninho e comece a rabiscar. 

Vá rabiscando o que você pensa sobre o job. O que você sabe sobre o cliente e quais são os objetivos que você quer atingir com a peça que está sendo produzida. 

Rabisque primeiros rascunhos, estruturas e ideias. Escreva o que você acha sobre as personas. Assim, pouco a pouco você vai estar construindo uma base de conhecimentos que vai te ajudar na hora de colocar a mão na massa. 

A tela continua em branco. Mas a ideia está em você, não nela. 

“Uma boa escrita requer que a gente tenha um entendimento e empatia para nossa audiência, sua situação, suas necessidades e objetivos” – Johnathan Colman, Facebook. 

7 – Consumir outro tipo de conteúdo 

Outra ótima dica pra quem precisa sair da bolha um minutinho e voltar mais inspirado. Consuma outro tipo de conteúdo, em uma mídia completamente diferente. 

Se você é designer e não está saindo nada, leia um texto sobre o tema no Medium. Se você é redatora, entre no Behance e analise o design de peças publicitárias.  

Isso sempre ajuda no bloqueio criativo, porque você se permite por um segundo que seja não pensar no que você precisa fazer. E a criatividade funciona melhor assim. 

“O rascunho precisa de uns ajustes, mas antes ele precisa ser escrito” Don Murray, professor de escrita 

8 – Dar uma volta na praça 

Essa seu cachorro vai adorar. Se você está pensando demais e fazendo de menos, se force a parar de pensar. Pegue a coleira, chame seu pet e vá passear. 

10 minutinhos de um bom passeio vão te fazer focar em um milhão de coisas diferentes que não são o trabalho que você precisa entregar. Os pássaros, as nuvens, o carro, um outro cachorro, pessoas que não recolhem o cocô dos seus pets (quem faz isso?) e por aí vai. 

Se dar um tempo está difícil porque a cabeça não pára, dê outra coisa para a cabeça pensar. A ansiedade é a maior inimiga da criatividade, e quanto mais você pensa nela, mais ansioso vai ficar.

“Muito do bloqueio criativo é esperar demais de nós mesmos na primeira tentativa” – Ann Handley, Everybody Writes

9 – Usar uma técnica de respiração

Existem várias técnicas de respiração que podem te ajudar a baixar o nível da ansiedade. Yogis usam algumas há milênios. 

Mas olha: não vale passar 3 horas procurando técnicas de respiração na internet! Veja uma bem simples e que você consegue fazer agora: 

  • Respire e prenda por 3 segundos; 
  • Solte a respiração bem devagar; 
  • Repita o processo por 5 minutos. 

Foque somente na sua respiração por enquanto. Logo logo você vai perceber que a sua mente se guiando naturalmente para a próxima dica, que vale ouro: 

10 – Tire cinco minutos para meditar 

Cinco minutos por dia é o suficiente. Se você não quer ou não pode sair do seu espaço físico e levar o cachorro pra passear, acalmar a mente pode ser feito aí mesmo no trabalho ou no seu home office. 

Meditar é simples e você não precisa de um app pra começar. O principal é esvaziar completamente a sua mente. 

No começo vai ser um pouco difícil, mas com o hábito vai ficando natural. Vá para um local tranquilo, onde não passe ninguém, e escolha um mantra. Pode ser qualquer coisa! Uma sugestão: conte de 1 a 10 e repita. 

Foque totalmente na contagem. Respire, prenda por 3 segundos, e solte bem devagar. E vá contando. Parabéns: você está meditando.

Medite por quanto tempo você precisar. E aí volte com fôlego renovado para a página em branco. 

“Não existe fórmula mágica. Pelo menos eu não achei ainda” – Susie Henry, copywriter lendária. 

11 – Escrever como se fosse uma carta

Essa é para os redatores: quando você não sabe o que escrever, ignore o formato por enquanto. Escreva como se fosse uma carta. 

Pode ser assim: 

“Queridos amigos da agência: 

Hoje me pediram para escrever um texto de blog, mas estou com bloqueio criativo. Então decidi escrever essa carta para falar pra vocês um pouco do que eu estou pensando em escrever. Talvez ajude. 

O tema que estou falando é…” 

Isso vai te ajudar a subverter o formato do blog, e depois você só precisa editar para o resultado final não ficar com cara de carta e pronto: o texto saiu. 

Tom Wolfe, autor de grandes livros jornalísticos nos EUA, conta que escreveu seu primeiro artigo assim. Ele não sabia o que fazer, então escreveu uma carta para o seu editor no jornal The Atlantic. 

O editor ligou pra ele na mesma semana e disse “Tom, vamos cortar o ‘querido Byron’ no começo da carta e publicar”. 

“Todas as profissões têm dias difíceis, onde nada dá certo, e é esperado dos profissionais que eles ainda trabalhem. Não é diferente para os criativos” – Pat Barker, romancista 

12 – Tomar um banho quente e tirar um cochilo 

Quem trabalha em agência precisa assistir Mad Men. 

A série sobre uma agência fictícia na Madison Avenue em Nova York nos anos 60 mostra, entre outras coisas, os escritórios dos copywriters, designers e diretores de criação. 

Todos eles têm um sofá. E todo mundo dorme depois do almoço. 

Dormir é uma ótima tática para sair de um bloqueio criativo. Nosso padrão de sono atual não é o melhor para um aproveitamento total do nosso cérebro. 

Tirar um cochilo no meio do dia depois de um banho quente te deixa mais tranquilo. E durante o sono seu cérebro vai decodificar e processar o que você estava pensando antes. 

E também é ótimo para o estresse. Aliás, tirar uma soneca é simplesmente ótimo. Não só para o estresse, mas tudo. Antes de finalizar: combine essa técnica e a número 2 para um dia perfeito. 

“Se você quiser ser interessante, seja interessado” – David Ogilvy, copywriter lendário e fundador da Ogilvy. 

13 – Conversar com alguém sobre a sua peça

Algo que ajuda muito a aprender sobre algo é ensinar. Não há dúvidas de que esse é o melhor jeito de sair de um bloqueio criativo: conversar sobre a sua peça. 

Você pode estar em um bloqueio terrível, mas você sabe o que você quer fazer. Mesmo sem saber. 

A ideia por trás de tudo está lá, a pesquisa que você fez também. Às vezes, colocar em palavras todos os seus objetivos e pedir a opinião de alguém é o empurrãozinho que vai resultar em uma peça incrível.

Mas talvez o melhor mesmo seja…

14 – Conversar com alguém mas não sobre a sua peça

Jogar conversa fora, falar sobre o último filme que saiu, sobre a série que você está lendo, o livro que você terminou ontem. Tudo isso pode ser melhor do que se concentrar ainda mais na sua peça. 

Isso porque seu cérebro precisa de um descanso, e já falamos várias vezes aqui nesse texto. A criatividade às vezes precisa de distância para florescer. 

Quer jeito melhor de se desligar do mundo do que fazendo amigos? 

15 – Desistir por hoje

Escuta: não precisa se preocupar se o seu bloqueio criativo estiver forte demais. Tem vezes que ele simplesmente não vai embora, não importa o que você faça.

Gary Halbert, um dos maiores copywriters de todos os tempos, diz no seu livro “The Boron Letters” que ele sempre tenta escrever, mesmo quando não está muito afim. Ele é adepto da primeira técnica: espreme a cabeça até sair alguma coisa. 

Mas tem dias que simplesmente não dá. E aí ele tira um dia de folga. 

O importante aqui nessa técnica é que você não está desistindo da peça: está desistindo por hoje. Vá fazer outras coisas: dar uma limpada na casa, estender a roupa, conversar com outros departamentos na agência. 

Amanhã você volta e tenta de novo. 

“A melhor parte da escrita é que você pode errar e fazer de novo. Ao contrário de um cirurgião neurologista” – Robert Collier, copywriter lendário

Just do it!

Você tem duas opções. Faça agora ou depois. Não existe o não fazer.

Esse texto serve para essas duas personalidades: quem consegue ficar um tempinho distante da peça para se acalmar e quem só vai se acalmar quando o bloqueio criativo passar. 

Eu sou um pouco das duas pessoas. Às vezes preciso de distância, às vezes preciso focar. Qual das duas você é? 

E uma preocupação que nunca saiu da minha cabeça sempre foi a geração de leads. Em cada texto escrito, a cada e-mail, cada peça minúscula, sempre tinha uma pequena voz lá no fundo gritando “e os leads?”

Você não precisa se preocupar com isso. A Leadster é o chatbot que converte.

Faça seus textos e suas peças com um objetivo só: agradar o leitor. O resto você deixa com a gente. 

Até o próximo texto! 


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *