Trabalhar com o inbound marketing em 2023 já é uma questão de necessidade para muitas empresas. Especialmente startups e negócios que são nativamente digitais. 

Isso porque o inbound marketing oferece uma possibilidade de conexão digital sem precedentes no marketing tradicional. Grande parte das empresas com esse perfil iniciam suas atividades sem nem cogitar essas modalidades tradicionais. 

Se você está chegando no inbound marketing em 2023 e está com a sensação de estar atrasado para a festa, não se preocupe: a metodologia veio para ficar – já ficou, inclusive – e tem espaço para todo mundo, veteranos e novatos. 

E se você já conhece a metodologia e quer saber o que tem de novo em 2023 para o inbound, também trazemos as maiores tendências para esse ano, com um guia do que investir. 

Tudo pronto para começar? Então primeiro vamos resolver o mais básico:

O que é o inbound marketing?

O marketing inbound é uma metodologia do marketing digital, tendo como sua principal filosofia o fluxo de pessoas em direção à sua marca, e não o contrário. 

Por exemplo: uma propaganda de rádio enquanto você está indo trabalhar está se inserindo na sua rotina e colocando a anunciante diretamente na sua vida, sem você pedir por isso. 

No inbound marketing, é o próprio cliente em potencial que vai atrás da informação e do conteúdo que as marcas oferecem. É esse cliente que toma a decisão de procurar por algo, e portanto, é ele quem “manda” na relação com a marca anunciante. 

Aliás, dizer “anunciante” para o marketing inbound é até um pouco errado – não existem anúncios da forma tradicional, mas sim a produção de conteúdo com foco em responder as dúvidas dos clientes em potencial e abrir uma conversa relevante com ele. 

O inbound marketing surgiu lá em meados de 2009 e 2010, com os esforços de Dharmesh Shah (co-fundador e CTO da HubSpot) e Brian Halligan – CEO da mesma empresa. Juntos eles lançaram o livro que definiu o marketing inbound como metodologia pela primeira vez.

Mas sei o que você deve estar se perguntando: por que as pessoas se interessariam pela sua marca assim da noite para o dia? 

Bom, primeiro que não é da noite para o dia. Uma boa estratégia de inbound marketing demanda bastante tempo e na verdade nunca acaba: ela sempre se transforma.]

E em segundo lugar, as pessoas se vão se interessar pela sua marca porque você vai oferecer algo valioso para elas. O quê, exatamente, você vai descobrir agora:

Inbound marketing é marketing de conteúdo?

A confusão é bastante comum, mas o inbound marketing não é o marketing de conteúdo, apesar do conteúdo ser parte fundamental do inbound. 

O marketing de conteúdo é uma ferramenta do marketing inbound, que também possui várias outras. 

E-mail marketing, por exemplo, não é necessariamente marketing de conteúdo, e é parte da estratégia de inbound.

Do mesmo jeito, o marketing de conteúdo às vezes pode funcionar isoladamente, sem uma estratégia de inbound por trás. A metodologia inbound exige a geração de leads e o fechamento de vendas, e é possível trabalhar conteúdo sem esses objetivos. 

Pense em um influencer, por exemplo. Ele não gera leads nem tem a menor preocupação com vender nada além da sua imagem e do seu conteúdo. Ele está usando o marketing de conteúdo, mas não necessariamente o inboud marketing. 

Panorama de Geração de Leads no Brasil 2023 - Leadster

A história do funil de vendas e do inbound marketing

O inbound marketing funciona através de um funil projetado pela HubSpot no final da primeira década dos anos 2000. 

Na época, o único conceito formal que a publicidade tinha para se basear era o funil de vendas criado por Elias St. Elmo Lewis, em 1898. 

Esse funil, além de determinar um certo rigor científico para o estudo das vendas, também popularizou o método AIDA – atração, interesse, desejo e ação.

Essa imagem é real e está disponível no site que reúne o legado de St. Elmo Lewis. Essa foi a primeira vez que alguém teorizou o ato de vender como algo feito por etapas. 

Mas olha que interessante: nessa imagem, vemos que o bloquinho “A” é bem menor que os outros, certo? Isso porque, mais de um século atrás, se você enviava uma carta para alguém era quase garantido que a pessoa iria ler. 

Hoje, nem tanto. Para continuarmos essa conversa, precisamos falar sobre todas as etapas do funil do inbound marketing, criado por Shah e Halligan na fundação da HubSpot, a maior autoridade na metodologia do mundo. 

🔎 Leia também: Técnicas de Marketing - As 20 Melhores para Atrair Clientes

Como funciona o funil de vendas inbound? 

O inbound marketing também segue um funil, mas ele é um pouco diferente – especialmente na atenção dada ao seu topo, que St. Elmo Lewis chamava de atenção, mas que hoje chamamos de awareness descoberta ou topo de funil.

O funil do inbound marketing funciona atraindo pessoas que não conhecem a sua marca e as encaminhando até o momento da venda. 

Mas com um porém: essa atração não é feita de forma intrusiva. Não há nenhum comercial interrompendo a sua música. Ninguém está te entregando um flyer que você vai carregar na bolsa por anos porque esqueceu de jogar fora. 

Nada disso. O inbound marketing precisa entregar o que seus clientes em potencial querem – tanto coisas úteis quanto coisas divertidas. 

Vamos supor que você trabalha com uma loja de peças de carros. Ao invés de flyers e outdoors, a metodologia inbound faria um canal no YouTube com tutoriais mecânicos. Isso é útil e vai atrair milhares de pessoas que nunca ouviram falar da sua marca antes. 

Ou vamos supor que você seja a Veja e faça esse tipo de post no Instagram:

Exemplo de post de topo de funil para ilustrar o inbound marketing

Veja como, apesar de ser uma mensagem publicitária, ela ainda está dentro da metodologia inbound: 

  • A imagem foi publicada no Instagram da Veja, que as pessoas seguem porque querem;
  • A mensagem é criativa e está relacionada com a rotina das pessoas que usam os produtos veja; 
  • O conceito da peça busca ajudar as pessoas que ainda não usam o produto Veja – usar cloro é ruim e perigoso, usar Veja é melhor. 

Simples de entender até aqui, certo? O marketing inbound procura atrair pessoas através de conteúdo relevante para elas, depois trabalhar as outras etapas da venda.

Fique tranquilo que, ao final do texto, vamos explicar o que fazer em cada uma das etapas do funil de vendas. 

Mas agora, vamos saber um pouco mais sobre as transformações que o marketing inbound consegue trazer para a sua empresa:

O que o inbound marketing entrega para uma empresa

Marketing conversacional

Por que a sua empresa deveria fazer marketing inbound em 2023? Essa é uma pergunta que muitos empresários estão se fazendo desde que a metodologia foi colocada em prática pela primeira vez, pela própria HubSpot. 

A resposta para ela está escrita claramente na trajetória da própria HubSpot. Sendo a principal referência do método no mundo e oferecendo conteúdo de qualidade, o site da empresa recebe mais de 5 milhões de visitas por ano, segundo o SEMRush.

Todos esses visitantes estão no topo do funil, e chegam para a HubSpot através do seu trabalho de marketing de conteúdo. 

Mas nós já vimos o funil do inbound marketing antes e sabemos que o topo do funil é apenas a primeira etapa. O real valor do marketing inbound é o que ele faz com essas pessoas: vender mais fácil. 

Vamos conversar sobre esses pontos agora, primeiro nos aprofundando um pouco sobre essa geração de visitantes: 

Mais visitantes no seu site

O marketing inbound, trabalhando junto com o marketing de conteúdo, tem o poder de trazer mais visitantes para o seu site – e isso é ótimo por dois motivos principais. 

O primeiro motivo, e o mais óbvio, é que mais pessoas no seu site significam mais possibilidades de fazer vendas e mais chances de conseguir orçamentos espontâneos e orgânicos – aqueles que vêm sem você precisar fazer anúncios. 

O segundo motivo é ainda mais interessante. Quem investe em anúncios está pegando um público emprestado. Se você faz comerciais de TV, está anunciando para o público da emissora. 

Se você trabalha com mídias pagas, está anunciando para o público do Google ou das redes sociais. 

Mas, quando você trabalha com o marketing de conteúdo dentro de uma estratégia de marketing inbound, você está criando o seu próprio público. 

E esse público é criado com um investimento muito menor do que fazer comerciais de TV periodicamente, ou depender do Google Ads para continuar atraindo pessoas para o seu site. 

Uma vez que você atrai pessoas e constrói seu próprio público de pessoas interessadas no que você tem a dizer, entram as próximas etapas do marketing inbound: 

Maior geração de leads

A geração de leads dentro do marketing inbound fala diretamente com o que a gente vem discutindo até agora – a criação de públicos através de visitantes etc. 

Quando esses visitantes chegam ao seu site, você tem uma grande oportunidade nas mãos: transformá-los em leads. 

Leads são todas as pessoas que entraram no seu site como visitantes e se interessaram em algum material a ponto de deixar suas informações de contato para baixá-lo.

E não só isso: são também as pessoas que se inscrevem em alguma newsletter, que fazem um cadastro para receber promoções ou que já entram em contato diretamente pedindo um orçamento. 

Quando um visitante se torna um lead, você está a um passo mais perto de vender. E na metodologia inbound, os leads são o combustível que mantém suas vendas sempre subindo. 

O maior estudo sobre geração de leads do Brasil. Panorama de Geração de Leads 2023 - Leadster

Melhor aproveitamento do funil de vendas

O objetivo do inbound marketing é criar uma estrutura digital para o aproveitamento total do funil de vendas. Uma vez que está tudo funcionando, as vendas vão acontecendo naturalmente. 

Um funil de vendas inbound estabelece um caminho muito bem definido para as vendas. De visitante para lead, de lead para cliente. 

Enquanto 10.000 pessoas entram mensalmente no funil do inbound marketing, você também vai estar gerando uma quantidade considerável de novos leads, além de também estar fechando vendas. Tudo ao mesmo tempo. 

Só que ele também oferece uma possibilidade única: a mensuração do sucesso de cada uma dessas etapas. 

A maior vantagem do inbound marketing é que, apesar do caminho individual de um visitante que se torna cliente ser longo, você ganha muito na quantidade de leads que você gera. 

E a possibilidade de mensurar cada etapa, encontrar gargalos e agir de forma micro dentro da estratégia eleva o inbound marketing a uma verdadeira máquina de fazer vendas. 

CAC menor

Anunciar na televisão, mesmo na local, é caro. Você vai pagar pela produção do material (que aliás só vai ser veiculado um número finito de vezes), vai pagar para a agência, vai precisar fazer cadastro na ANCINE e o comercial vai rodar somente em alguns horários. 

Imagina o CAC – custo de aquisição por cliente – de uma empresa que só trabalha com comerciais? É astronômico! 

Isso vale para outras modalidades de vendas também: quando comparadas com o inbound marketing, o CAC sempre é uma métrica que salta aos olhos. 

As estratégias de topo de funil do marketing inbound tendem a ter custos menores do que o do marketing tradicional e a durar mais.  

Acontece que o inbound marketing trabalha com recursos mais simples e que duram mais. Um texto em um blog, por exemplo, é mais barato que produzir uma peça publicitária tradicional, em mídia física, e gera leads por anos e anos. 

Mas agora que estamos pegando pesado na comparação, veja de uma vez por todas a diferença entre o inbound marketing e o marketing tradicional: 

Qual é a diferença entre inbound marketing e o marketing tradicional?

A principal diferença entre marketing inbound e marketing tradicional está no sentido da comunicação. 

O sentido não de significado – mas de direção. Para onde vai a comunicação e de onde ela se origina? 

Para entender as diferenças entre o marketing inbound e o marketing tradicional, precisamos deixar esse conceito bem claro. 

E na verdade, a diferença já vem escrita no nome. Dica: tem a ver com in e out. Saiba mais: 

Inbound marketing X outbound marketing

A palavra “inbound” significa, em inglês, “algo que vem na sua direção”. A palavra “outbound” significa o contrário – algo que se afasta de você. 

A diferença entre inbound marketing e outbound marketing é basicamente a mesma coisa. No inbound, você não vai atrás dos clientes: eles que vêm até você para consumir o seu conteúdo. 

No marketing outbound, é o contrário: os clientes não vêm até você, mas é você quem vai onde eles estão. 

Essa é a forma mais aceita de entender a diferença entre o inbound marketing e o marketing tradicional, mas ela precisa ser entendida com bastante cuidado. 

Primeiro: em alguns casos, o marketing inbound realmente vai atrás do seu público. 

Uma estratégia que marcas adotam bastante é criar reviews e unboxing dos seus produtos no YouTube, por exemplo. Isso é se apropriar de um estilo de conteúdo que já existe e que já é consumido por milhares de pessoas. 

Outras marcas fazem posts em grupos específicos no Facebook, por exemplo. Outras fazem parcerias com influencers. Tudo isso é ir encontrar o público. 

A diferença entre o inbound e o outbound, porém, está no objetivo. O inbound busca levar visitantes para o site e convertê-los em leads para trabalhar ainda mais o funil de vendas. 

O outbound tem estratégias mais simples, focadas principalmente nos resultados das vendas. 

Outra grande diferença entre o inbound e o outbound está nas métricas. O inbound, nativamente digital, oferece todas as métricas possíveis de se acompanhar. O outbound não costuma ter muitas – como saber quantas pessoas leram seu outdoor? – além da quantidade de vendas. 

E falando nisso: 

O marketing inbound é sempre digital? 

O marketing inbound é nativamente digital – ou seja, todas as estratégias de inbound nascem online. 

As entregas e o tipo de conteúdo podem variar, inclusive com brindes e até conteúdo impresso de vez em quando. Mas toda a estratégia por trás da geração de leads através dos visitantes interessados no seu conteúdo é digital. 

O inbound ser digital e somente digital tem uma explicação bem simples: a mensuração dos resultados. Segundo a metodologia, você poderia muito bem abrir uma loja de sapatos e oferecer chinelos grátis para quem deixasse o e-mail. 

E depois, de posse desses e-mails, enviar newsletters e comunicações certeiras buscando fechar mais vendas. É possível? Claro! 

O problema é que você não iria saber quantas dessas pessoas com chinelos grátis fizeram uma compra dos seus sapatos. Essa mensuração é muito difícil de fazer e praticamente impossível de garantir os resultados. 

E para oferecer esses chinelos, você teria que fazer um investimento bem alto, sem nenhuma garantia de sucesso e praticamente no escuro. É muito arriscado. 

Por conta disso, as estratégias de marketing inbound vão ser sempre digitais. Mas cuidado: nem tudo no marketing digital é inbound!

As 6 principais estratégias do inbound marketing para 2023

O marketing inbound em 2023 está passando por algumas mudanças, mas nenhuma delas é grande o suficiente para abalar suas estruturas e inviabilizá-lo. 

Pelo contrário. Muitas estão focadas na escalabilidade da metodologia, e trabalham para tornar o inbound mais democrático, popular e fácil de fazer. 

No geral, pouca coisa muda de forma drástica no marketing inbound, até porque ele é uma metodologia. Seu conjunto de ferramentas ainda vai promover os mesmos ideais, ainda que as ferramentas em si evoluam ao longo do tempo. 

Pense: o arado revolucionou a agricultura, mas ele precisava ser puxado por um boi. Hoje o trator substituiu o boi, mas arar a terra ainda é fundamental para colher seus frutos. 

Veja as 6 principais tendências do marketing inbound para 2023: 

Criação de conteúdo mais objetivo e específico

O Google está passando por um momento delicado. Após mais de 30 anos ditando os rumos da internet e, por isso, do próprio marketing digital, ele está sendo ameaçado pela inteligência artificial. 

A empresa OpenAI lançou um teste recentemente da sua aplicação ChatGPT. Esse app permite que textos inteiros sobre um determinado assunto sejam escritos em questão de segundos. 

A tendência do marketing de conteúdo – uma das maiores ferramentas do marketing inbound – sempre foi fazer conteúdo cada vez maior e publicá-lo em blogs para que ele fosse atrativo para a primeira página do Google. 

Com o desenvolvimento de ferramentas como o ChatGPT, a tendência é que os textos vão ficando cada vez mais específicos, e portanto, menores. 

E quando digo específico, quero dizer específico de verdade. Perguntas simples vão ser respondidas facilmente pela inteligência artificial, então o marketing de conteúdo precisa se encarregar de responder as mais difíceis, as que a IA não consegue responder usando a internet. 

Curadoria de conteúdo através de newsletters

Imagine viver em um mundo onde você não precisa mais perguntar para o Google – você vai ter um app que responde tudo o que você precisa. 

É isso o que ferramentas como o ChatGPT, que mencionamos logo acima, podem fazer. Hoje, desenvolvedores e programadores preferem fazer perguntas relacionadas a código ao beta do ChatGPT do que para o Google – a IA responde melhor. 

Por conta disso, é bem provável que a maioria das pessoas, dentro de um futuro próximo, não consumam conteúdo como se consome hoje – buscando respostas. O conteúdo na internet vai ser mais livre e mais interessante. 

Isso já está acontecendo hoje. Blogs no Medium, por exemplo, falam de tudo um pouco. O blog do WeTransfer, por exemplo, produz conteúdo jornalístico, e não “como diminuir o tamanho dos seus links”. 

Acompanhando essa guinada mais autoral que os blogs estão começando a mostrar surgem também as newsletters de curadoria de conteúdo. 

O conceito é simples: você se inscreve em uma e passa a receber, por e-mail, conteúdo selecionado pra você. Notícias, artigos, seja o que for: já existe hoje uma newsletter que fala sobre ele e que você pode assinar. 

Para 2023, as newsletters de curadoria são uma tendência gigante que você precisa ficar de olho – nem que seja apenas para consumir.

Marketing conversacional 

Segundo uma pesquisa da Drift, o número de empresas que usam chatbots mais que duplicou entre 2019 e 2020, e só aumentou durante a pandemia até hoje. 

A empresa, referência em marketing conversacional no mundo, também mostra que 44% das pessoas que entram em um site para tirar dúvidas esperam que a resposta que o site ofereça seja imediata. 

E imagine: dependendo do seu segmento, você vai trabalhar com clientes que estão de home office em qualquer lugar do mundo. Como oferecer resposta imediata às 4 da manhã? 

Só com chatbots e o marketing conversacional. O crescimento dessa ferramenta só cresce, e merece muita atenção ao longo de 2023.

Webinars

Os Webinars são tendência desde que a gravação de vídeos se tornou muito mais fácil, e se consolidou com uma força enorme durante os anos de pandemia. 

Fazer um Webinar é muito mais interessante e fácil do que fazer um infográfico, por exemplo. E segundo o Content Marketing Institute, Webinars foram os formatos que mais trouxeram bons resultados em 2022, junto com eventos de marketing:

Fazer Webinars é fundamental não só para ter mais leads, mas para convertê-los e já ter alguma forma de contato com eles quase imediatamente. 

Investir neles também é uma tendência porque vídeos em geral são tendência hoje. E um único Webinar gera conteúdo para uma dezena de vídeos mais curtos para o YouTube. 

🔎 Leia também: 50 Estatísticas de Marketing Digital para 2023

Conteúdo humanizado 

Se tudo o que estamos falando sobre o ChatGPT realmente acontecer como estamos imaginando que vai, logo logo vamos ver um novo tipo de conteúdo surgir: mais humanizado e menos otimizado para motores de busca. 

Por conta do domínio do Google sobre o marketing de conteúdo, por anos e anos as empresas focaram todos os seus esforços em responder as perguntas dos usuários do gigante das buscas.

É possível, com um trabalho de pesquisa de palavras-chave, saber exatamente o que as pessoas estão procurando no Google. 

Só que esse domínio está começando a ser ameaçado pela inteligência artificial. E conforme ela avança, menos pessoas vão buscar suas respostas no Google. 

Isso abre espaço para outro tipo de conteúdo: um mais humanizado, que se relacione com o dia a dia dos leitores, e que seja feito quase que de forma artesanal. 

Como funciona a metodologia inbound? 

Já falamos tudo sobre o inbound, tudo sobre as suas tendências para 2023 e agora só falta te cumprir uma promessa que fizemos lá no início do texto: explicar o funil de vendas. 

Esse tópico está aqui pra isso: vamos te mostrar como funciona cada etapa do funil de vendas do marketing inbound, e também te mostrar quais são os principais métodos usados em cada uma delas. 

Vamos lá? 

Atração

A primeira etapa do funil de vendas do marketing inbound é a atração de pessoas desconhecidas para o seu site, onde elas se tornam visitantes. É o topo do funil. 

Você vai perceber que os gatilhos para as próximas fases do funil de vendas inbound são sempre algum tipo de transformação – a primeira delas é essa, de pessoas que não te conhecem para pessoas que te conhecem. 

Normalmente, as pessoas no estágio de atração não estão procurando sua marca: elas estão reconhecendo que têm um problema e gostariam de resolvê-lo. 

🔎Leia também: Topo de Funil - Estratégias e Conteúdos para essa Etapa de Vendas

Um exemplo: você vai ligar seu carro e ele está afogando. Você acabou de descobrir que tem um problema e gostaria de solucioná-lo, então entra no Google, no YouTube ou até no TikTok e pesquisa por “carro afogando”. 

E é aí onde eu entro: eu tenho uma loja online de peças de carro, e escrevi, com a ajuda de um mecânico, o texto “Carro afogando? Veja 5 verificações rápidas antes de levar no mecânico”

Você vai ler meu texto, fazer as verificações e entender qual é o seu problema. No meio do texto, eu coloco um banner te oferecendo meu e-book: “Os 50 problemas simples que mecânicos cobram caro para arrumar”. 

Quando você baixar esse e-book, você acabou de passar para a próxima etapa do funil de vendas inbound:

Conversão

Essa é a segunda fase do funil de vendas inbound, também marcada por uma conversão: transformar um visitante em lead. 

Aqui, no meio do funil, é onde está a espinha dorsal da sua estratégia de marketing inbound. Quanto mais leads você gerar, mais vendas você vai ter.

Aliás, a forma mais garantida de aumentar as vendas é justamente aumentando seus leads.

A partir do momento que um visitante concorda em deixar suas informações de contato no seu site, você gerou um lead. Isso pode ser feito de diversas formas: marcar presença em um Webinar, baixar um e-book, acessar uma checklist e por aí vai. 

Quando você converte um visitante em lead, é hora de trabalhar pesado na sua nutrição para transformá-lo em cliente. 

Esse é um trabalho que pode ser longo ou curto, já que depende do lead, e normalmente é feito por estratégias de e-mail marketing.

🔎 Leia também: Meio de Funil - O Que É e Como Criar esse Tipo de Conteúdo

Você vai enviando material para o seu lead, vai fazendo algumas perguntas em cada um desses materiais, vai qualificando-o e oferecendo promoções quando ele estiver perto de comprar. Com o tempo, ele vai sentir confiança na sua empresa e fechar. 

O trabalho de nutrição de leads é tão importante e com tantas variáveis que temos um texto inteiro falando sobre ele. Recomendo muito a leitura. 

Venda

Olha que maravilha: você está chegando no topo do funil! Com todas essas estratégias de nutrição de leads, as chances de fazer uma venda são muito maiores do que com os métodos tradicionais do marketing. 

Muita gente que não trabalha com o inbound acaba achando que ele dá muito trabalho. Veja tudo o que foi feito até agora: realmente dá pra imaginar que o esforço não compensa. 

Mas a questão é que toda a jornada até agora foi feita de forma automatizada. Todo o trabalho que mencionamos da nutrição de leads, por exemplo, é feita de forma automática. 

Então, a metodologia é simples de ser aplicada, e o funil se chama um funil por um motivo: milhares e milhares de visitantes podem entrar no seu site por mês, e a quantidade de vendas vai depender da sua capacidade de converter leads e depois fechar com eles. 

🔎 Leia também: Fundo de Funil - Como Produzir Conteúdo Para Essa Etapa

Retenção e recompra

A última fase do funil de vendas é a retenção desses clientes, transformando-os em evangelistas da marca e clientes fiéis. 

Isso é importantíssimo, porque como você pôde perceber até agora, há bastante esforço feito entre o topo e o fundo do funil. 

Pessoas que compram de você após já ter comprado antes têm um CAC mais baixo. Você já gastou seu orçamento e tempo com elas na transição de cada etapa do funil. Então, mantê-las comprando é uma estratégia muito válida porque diminui seus custos. 

Temos um texto que fala só sobre essa parte do funil de vendas – o pós vendas no marketing digital. Vale bastante a pena ler! 

Como começar a fazer inbound marketing em 2023?

Pelo que você conseguiu ver até aqui, o marketing inbound como metodologia não vai embora tão cedo. 

Muito pelo contrário, ela só vai ficar cada vez mais relevante. 

Começar em 2023 é um ótimo momento. Existem milhares de vídeos pela internet ensinando a fazer inbound marketing. E milhares de agências no Brasil especializadas nisso. 

Se você vai começar agora, sozinho, veja essa ordem de estudos que te recomendo: 

  • Faça o curso Inbound Marketing da Hubspot – é grátis; 
  • Faça cursos sobre SEO e SEM (search engine marketing);
  • Faça cursos para aprender mais sobre marketing de conteúdo; 
  • Crie o seu site com os melhores preceitos de SEO; 
  • Crie redes sociais também!; 
  • Identifique seu público-alvo
  • Desenhe estratégias para cada uma das etapas do funil de vendas; 
  • Comece a produzir seu conteúdo no seu site e compartilhe onde você puder. 

É um passo a passo que parece simples, mas em cada uma dessas etapas você vai ter muitas oportunidades de aprender mais. É só assim, na prática, que você vai conseguir fazer seu trabalho de inbound marketing decolar! 

Espero que esse texto tenha te ajudado a entender tudo sobre o marketing inbound em 2023 e além. Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário! Nós respondemos todos, um por um. 

Um abraço e até o próximo texto!

Panorama de Geração de Leads no Brasil 2023 - Leadster
Categorias: Geração de Leads

Gustavo Luby

CMO da Leadster, há 6 anos empreendendo no setor de tecnologia, apaixonado por CRO, Growth Hacking e Mídia paga.

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *